Trata-se , no entanto, de um assunto pertinente e actual, sobretudo quando se traduz numa das maiores preocupações da sociedade: – A gravidez na adolescência. Ser jovem, estudante e mãe é um fenómeno complexo associado a variáveis de ordem individual, familiar, social, cultural e educacional. Este fenómeno não se explica por uma única causa ou factor, mas por um conjunto de factores que influenciam os contextos de vida dos jovens, cujos padrões e regras mudam nas transacções que o indivíduo estabelece com o seu meio. Se da consigo a dizer urgente aqui fale com os amigo primeiro.

Com a evolução da informação, as consultas de planeamento familiar à disposição das adolescentes em qualquer Centro de Saúde e o avanço da Medicina, pode pensar-se que não se justifica uma gravidez em idades precoces excepto os casos em que as raparigas são violadas. Estado está preocupado com a legalização do aborto, visto que devido a este, os abortos dispararam, fazendo com que nasça muitas menos crinças em Portugal. Muitos Adolescentes ainda nos dias de hoje são enganados por informações erradas ou provenientes dos seus grupos de amigos, da internet ou mesmo da sua própria imaginação. Acontece, que devido a estas informações, muitos adolescentes são pais muito cedo por estarem induzidos em erro. Como pode ser visto, isto são apenas mitos, se queres estar protegido tem uma vida sexual devidamente cuidada e aconcelha-te com médicos, ou quem te possa ajudar.

A gravidez em adolescentes não é um fenómeno novo. Talvez alguns factores sociais actuais permitam uma análise aproximada das suas causas: puberdade numa idade mais precoce, trivialização da sexualidade, erotismo constante nos meios de comunicação, adolescência demasiado longa. Não obstante, o problema básico pelo qual se verifica é a falta de previsão (sobretudo quanto ao uso de anticoncepcionais) e não só por inconsciência, mas fundamentalmente por desinformação e ignorância. A gravidez em idade tão precoce pode ter para a mãe compromisso do seu próprio crescimento, maior incidência de partos complicados em bacias pélvicas que ainda não atingiram o seu tamanho adulto, atrasos de crescimento do feto e maior incidência de EPH-Gestose, ou seja, complicações ligadas a hipertensão e edemas. Os médicos que se dedicam a este tema não podem, por motivos da Constituição Portuguesa, tipificar os grupos sociais, pelo que ficam apenas com a noção de que esta será a percentagem de grávidas adolescentes dos grupos sociais para os quais este facto não é encarado como problema.

Um dia ou dois de atraso na menstruação não significa que estejas grávida. Vários factores podem alterar a regularidade do ciclo menstrual (o stress, por exemplo) e provocar ligeiros atrasos. Contudo, se estás com alguns dias de atraso, sentes o aumento e alteração da consistência das glândulas mamárias, enjoos e vómitos, então convém marcares imediatamente uma consulta de planeamento familiar ou com o teu médico de família, no centro de saúde da tua área de residência. Explica a urgência da razão da consulta na altura da marcação. Querer no link aqui pode ser perigoso.

A disponibilização de preservativos nas escolas, uma medida que tem gerado alguma polémica, foi objecto de um estudo recente realizado nos E.U.A.. As conclusões da pesquisa vêm revelar que esta disponibilização não contribui para o aumento da actividade sexual entre os adolescentes. A medida tem um efeito positivo na protecção dos que já iniciaram a vida sexual, nomeadamente ao nível da prevenção de doenças sexualmente transmissíveis.

Podes comprar na farmácia um teste de gravidez (não é preciso receita médica) ou entregar na farmácia, para análise e em recipiente próprio, uma colheita da tua primeira urina da manhã. Horas depois terás o resultado. Também podes fazer uma análise ao sangue num laboratório de análises clínicas. A sexualidade na adolescência continua a ser encarada pela família, pela escola e pela sociedade de uma forma negligente, desvalorizando esta fase da vida repleta de descobertas e emoções, permitindo que as experiências sejam vividas na ignorância ou proibindo através da condenação moral como forma de dissuasão.

A sexualidade na adolescência continua a ser encarada pela família, pela escola e pela sociedade de uma forma negligente, desvalorizando esta fase da vida repleta de descobertas e emoções, permitindo que as experiências sejam vividas na ignorância ou proibindo através da condenação moral como forma de dissuasão. Trata-se , no entanto, de um assunto pertinente e actual, sobretudo quando se traduz numa das maiores preocupações da sociedade a gravidez na adolescência.

A Gravidez na Adolescência é uma realidade cada vez mais presente. A adolescente e o seu filho são particularmente vulneráveis aos riscos inerentes à gravidez e maternidade, devido à especificidade das alterações que ocorrem nesta fase etária. O amadurecimento sexual do adolescente para além de acontecer rapidamente, ocorre ao mesmo tempo que o amadurecimento emocional e intelectual. Desta forma, começa então o processamento na formação de valores de independência, que por sua vez criam pensamentos e atitudes contraditórios, especialmente quanto a parceiros e profissões. Na wikipedia.org encontra muita informação complementar.